Saber escrever

Fátima Mariano - Comunicação

Numa época em que o conteúdo é rei, saber escrever é imprescindível para que que os textos sejam bem indexado pelos motores de busca. Mesmo os artigos jornalísticos são muitas vezes construídos tendo em conta esta nova realidade. Se por um lado constitui um desafio, por outro acaba por condicionar a criatividade de quem escreve.

Mas saber escrever é muito mais do que isso. É também não cometer erros gramaticais ortográficos ou factuais,  dominar o vocabulário para não repetir palavras e utilizar a linguagem mais adequada ao público a que se dirige (e isto nada tem que ver com estilo de escrita).

Saber escrever não deve ser uma preocupação apenas de quem utiliza a escrita como instrumento principal de trabalho (jornalistas, escritores, bloguistas, etc.), mas de todos os profissionais.  Um texto com erros ou uma linguagem confusa dificulta a leitura, pode gerar mal-entendidos, e, por conseguinte, prejudicar a imagem profissional de uma pessoa ou de uma organização.

 

 

Caso reais

Há pouco tempo, o responsável de uma empresa à qual pedi um orçamento desejava que este fosse «de encontro» às minhas expectativas. Porém, o que pretendia escrever era que desejava que o orçamento fosse «ao encontro» das minhas expectativas.  

Este é um erro muito comum. Ir de encontro a significa colidir, fisicamente, com algo ou com alguém. Por exemplo, o carro foi de encontro (=embateu, colidiu) ao muro. Ir ao encontro significa estar em harmonia, estar de acordo com.

Um outro erro muito comum (mais na oralidade do que na escrita) é a expressão há anos/meses/dias atrás. Esta frase é gramaticalmente incorrecta. Também diz/escreve há anos/meses/dias à frente? Não. Nestes casos, a utilização errada do advérbio atrás resulta da influência da língua inglesa – years/months/days ago.

Contudo, há quem defenda este tipo de expressão com o argumento de que o objectivo é reforçar a ideia de passado. Foi a resposta que obtive de uma conhecida marca de cosméticos quando enviei um e-mail a lamentar um erro tão grosseiro num anúncio publicitário sobre o cancro da mama.

Estes são apenas dois casos em como erros gramaticais podem prejudicar a imagem profissional de uma pessoa ou de uma organização. Sempre que existir uma dúvida, o aconselhável é recorrer a um dicionário, gramática, prontuário, etc. Ou, em alternativa, contratar os serviços de um profissional na área da escrita e da revisão de texto.  

 

 

Não corra riscos. Se precisa de ajuda, contacte-me, e peça um orçamento personalizado. Estou aqui para ajudá-lo/a.